Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Holly Reader

Opiniões literárias, leituras programadas, desafios, devaneios, TAG's, novidades editoriais, eventos, encontros. Aviso: pode criar dependência a livros :)

Dois livros, duas escritoras

IMG_8232.jpgDuas leituras muito diferentes, duas leituras excepcionais. Duas escritoras, duas mulheres em épocas distintas, poder-se-á até dizer que nada têm em comum. Afinal, há algo que as aproxima? A sensibilidade, a dureza das palavras, a lucidez.

 

Joana Bértholo. Nunca tinha ouvido falar desta escritora, desconhecia este trabalho de reflexão e de estudo profundo das palavras que consegue ao mesmo tempo ser entretenimento, aprendizagem e literatura. Numa sociedade onde se paga pelas palavras será que as pessoas se tornam mais cuidadosas com a linguagem ou, pelo contrário, será que começam a desprezá-la? Será que se tornam gratas por ainda terem direito (mesmo que pago) a expressar-se? Ou será que tudo perde o valor? Qual é a diferença entre preço e valor? A linguagem é tudo ou nada? Muitas são as perguntas que nos atravessam a mente ao longo desta leitura desafiante. Se num momento parece que estamos no centro de um jogo de palavras, noutro deparamo-nos com uma factura do "plano de revalorização da linguagem", no seguinte lemos a notícia de um atentado para depois voltarmos a uma discussão amorosa. Não fazia ideia que este livro existia no nosso panorama editorial português, é uma pena que não seja lido e falado por mais gente. Garanto que vale muito a pena. Se estivesse escrito e/ou editado em inglês com certeza estaria nomeado para o Man Booker International Prize

 

"A mentira é a arte de desenhar com palavras dentro do outro os contornos de um animal fantástico que não habita selva alguma."

 

Maria Judite de Carvalho, continua a ser um prazer descobrir esta escritora. A musa da solidão e do silêncio. A contenção na sua escrita é palpável e quase insuportável. Repito, quase insuportável, porque impossível é não continuar a ler e acompanhar as vidas vazias das protagonistas dos seus contos. Mulheres à margem, mulheres mal amadas, mulheres em segundo plano, mulheres ignoradas. Mas, apesar de tudo, mulheres com uma força interior imensa que nos preenche o peito. À medida que vamos caminhando para o desfecho dos contos (e novela) vamos inspirando lentamente e pedindo que cada uma destas mulheres permaneça um pouco mais sob os nossos olhos (de leitores). 

 

"O homem vai andando, outra vez sem objetivo, e pensa noutras pessoas do seu tempo que não vale a pena procurar."

1 comentário

Comentar post