Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Holly Reader

Opiniões literárias, leituras programadas, desafios, devaneios, TAG's, novidades editoriais, eventos, encontros. Aviso: pode criar dependência a livros :)

Holly Reader

07 de Setembro, 2017

Vocês escolhem...

livros-classicos-literatura-gratis-noticiasedit.jp

 

Em que dia e local será o Encontro do Clube dos Clássicos Vivos? 

 

Com a entrada no mês de setembro a data para o nosso próximo encontro começa a aproximar-se. E precisamos das vossas opiniões para conseguirmos definir o dia e o local para o encontro. Temos as seguintes opções.  

 

Quanto às datas:

 

  • dia 16 ou 17 de setembro pelas 10/11h 

 

Quanto aos locais:

 

opção 1. FIC Cascais (encontro, almoço e passeio na FIC);

opção 2. Fábrica das Palavras Vila Franca de Xira (encontro, visita à biblioteca e almoço);

opção 3. Jardim do Campo Pequeno (encontro e almoço).

 

Caso não possam estar presentes em todas as fases do encontro não há problema, o que importa é a vossa presença (mesmo que mais fugidia). 

 

Temos um grupo específico no Goodreads para definir o local e data mas podem também comentar aqui no post caso tenham interesse em ir para começarmos a organizar. 

 

O clássico a discutir será "O vermelho e o negro" de Stendhal. Caso ainda não o tenham terminado, ainda têm tempo de o fazer. Caso se queiram juntar a nós para leitura do próximo clássico "Dom Casmurro" de Machado de Assis basta clicarem neste link

 

Obrigada e boas leituras.

05 de Setembro, 2017

Morte em pleno verão | Yukio Mishima

FullSizeRender 7.jpg

 

Comecei lançada, ansiosa para descobrir a escrita deste autor. Este livro reúne 7 contos, no primeiro (que partilha o nome com o livro) fiquei desiludida, a situação pareceu-me demasiado explicada, não fui afectada pela tristeza da história.

 

Foi só no quarto conto que o autor me pareceu revelar um pouco da sua magia: suave e delicada. Continuei envolvida até ao penúltimo conto, "Patriotismo", na minha opinião o melhor de todo o livro. A história é devastadora, a forma de a contar alternando o doce com o brutal é curiosa, senti que finalmente entendia o fascínio pela escrita do autor. Mas fiquei por aqui, apenas este conto me revelou aquilo de que o autor seria capaz.

 

Nos contos são visíveis as diferenças que temos do povo japonês nos costumes, comportamentos e no papel de homem e mulher na sociedade. É interessante observar isso na escrita do autor e nas histórias apresentadas. 

 

Terminei o último conto a muito custo e aborrecida com as descrições exaustivas que não me traziam nenhum esclarecimento, a força brutal do penúltimo conto cinge-se a ele e é o único que espero guardar na memória como verdadeiro reflexo deste autor. Nele é descrito um ritual normalmente desempenhado pelos samurais, o seppuku, que demonstra o "amor à pátria" e acompanha o fiel amor de uma esposa pelo seu marido. 

 

"...o pensamento de que era a última vez fazia bater mais intensamente os seus corações e dilatava-lhes o peito. Dir-se-ia que as palavras "a última vez" se tinham inscrito, em pinceladas invisíveis, em todos os recantos dos seus corpos."

Pág. 2/2