Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Holly Reader

Opiniões literárias, leituras programadas, desafios, devaneios, TAG's, novidades editoriais, eventos, encontros. Aviso: pode criar dependência a livros :)

Holly Reader

14 de Novembro, 2016

Segredos Obscuros | Hjorth & Rosenfeldt 

FullSizeRender-4.jpg

 

Este é o melhor livro policial que eu alguma vez li. 

 

Com um personagem principal do mais complexo, insensível e inesperado que já vi. E com um crime brutal cheio de dúvidas, mudanças de opinião e pistas que levam no caminho errado

 

A investigação do crime começa e Sebastian (uma das personagens principais) junta-se a ela. Enquanto esta decorre, Sebastian tem que apreender a lidar com as fatalidades que aconteceram ao longo da sua vida, fazendo dele aquilo que é hoje. 

 

Um livro de cortar o fôlego com um final espectacular. 

 

À superfície, a solução era perfeita. Mas não era a superfície que interessava a Sebastian. Ele procurava sempre encontrar a ligação subjacente. As respostas límpidas. Quando tudo o que já sabia se encaixava perfeitamente. 

 

Pontuação no Goodreads: 4*

11 de Novembro, 2016

Homens imprudentemente poéticos | Valter Hugo Mãe

FullSizeRender-3.jpg

 

Terminei de ler este livro ontem e obriguei-me a dormir sobre os pensamentos que o livro despertou. Não posso, no entanto, dizer que hoje estou menos afectada que ontem.

 

Este foi o primeiro livro que li do autor, do qual já tinha ouvido falar. Após ler uma entrevista que o autor deu ao DN no verão deste ano, entreguei-lhe a minha total atenção. Eis porquê: durante a entrevista, quando lhe perguntam porque não gosta da vida dos festivais literários, responde, entre outras coisas: "...eu acho que se um escritor não usa a voz para dizer alguma coisa de jeito, fica ali apenas para adocicar o chazinho, mais vale não participar...".

Concordei mentalmente e completamente com o autor, sentindo que tudo o que tinha sido dito na entrevista tinha bastante jeito, falando sempre com uma elegância profunda que eu nunca tinha conheçido. 

 

Valter Hugo Mãe tem uma linguagem própria inventada nos confins da sua mente e coração. Linguagem essa que atribui ainda mais sentido ao livro. Escreve leve e poeticamente, complexo mas com uma mensagem simples. Descobrir as suas palavras é uma viagem alucinante que nos percorre a alma e acaba no nosso final.

Se fosse possível concretizar numa palavra seria: lindo. Pela beleza e perfeição.

 

No final, fico com a certeza do bom que é ser imprudentemente poético. Ultrapassar o que nos afasta, com todas as diferenças contidas em nós, e encontrar o que nos aproxima. Fazermo-nos melhores, depois de todas as desgraças individuais, alimentarmo-nos delas como força para o que ainda está para vir e que será, seguramente, poético.

 

Por último, o facto do autor ter excluído a palavra "não" da história, e tendo eu consciência disso antes de o ler, fez-me admirá-lo ainda mais pela obrigação a que se propôs e por tão natural resultado.

 

Itaro, se pudesse, gostaria de o ver morto. Depois, pensava, se pudesse, gostaria de o matar. Por seu lado, Saburo, sentimental, pensava que, se pudesse, gostaria de matar o artesão. Depois, ponderava e pensava que gostaria de o ver morto.

 

Este livro inclui-se também dentro do Desafio #lerosnossos, onde incentivamos a leitura de autores portugueses.

 

Minha pontuação no Goodreads: 4*

 

09 de Novembro, 2016

Deste Mundo e do Outro | José Saramago

IMG_4860.JPG

 

 

(Por onde começar?)

 

Este foi o meu primeiro livro de Saramago (exceptuando o "Memorial do Convento" do qual pouco ou nada me recordo).

Escolhi-o dentro do Desafio #lerosnossos e #lersaramago.

 

Neste livro, Saramago escreve tão bem acerca das emoções humanas que fere com tanta verdade.

 Escreve como quem fala, quase ouvia a voz dele a falar comigo. Como se estivesse ao meu lado e dentro da minha cabeça.

 

Este é um livro de crónicas, mas mais do que isso, é um livro sobre os seus pensamentos e opiniões. Traça grandes críticas ao comportamento humano, incluíndo a ele próprio.

 

Escreve para o leitor com grande à vontade e simpatia. Tem humor e sabedoria. Ao longo das crónicas, fui ganhando maior confiança e afinidade com Saramago. E é uma grande companhia para se ter.

 

Ler este livro é todo um exercício mental de avaliação e julgamento à espécie humana.

 

No final, o que fica?

 

Que grande homem e escritor. 

Em cada crónica ficou uma ponta de lágrima ou um sorriso meu. E sempre um arrepio.

 

Não vou atribruir um 4* ao livro apenas por me faltar continuidade que nas crónicas não se consegue ter, e a qual aprecio. Faltou-me fechar o círculo. Vou fazê-lo num próximo livro de Saramago, muito em breve.

 

O mundo dos homens vai acabar. Talvez acabe mesmo. E se os animais vierem a endoidecer de cólera e desencadearem esta guerra (em 2968, por exemplo), as menos o último homem, coberto de formigas que o estralhaçam, ainda poderá pensar que morre a lutar pela humanidade. Não contra a humanidade...E será a primeira vez que tal acontece.

 

Minha pontuação Goodreads: 3*

 

09 de Novembro, 2016

Lançamento do livro "A Gorda" de Isabela Figueiredo

IMG_4897.JPGIMG_4914.JPG

 

Ontem estive no lançamento do livro "A Gorda" de Isabela Figueiredo na Pensão Amor.

 

A autora falou um pouco das motivações que a levaram a escrever este livro - parcialmente baseado na sua experiência de vida e que depois extrapolou para o campo da fição.

 

Com este livro pretende que as pessoas, especialmente as mulheres, aceitem o seu corpo e gostem de si. Uma mensagem simples mas cheia de força.

 

No livro a autora fala da vida de Maria Luísa, a personagem principal, passando por várias divisões da casa que têm a si associadas uma experiência (e os sentimentos que dela decorrem).

 

Esta será mais uma das minhas leituras dentro do Desafio #lerosnossos do blog A Mulher que Ama Livros.

 

Quando iniciar a leitura, publicarei aqui novidades acerca dela.

Quem me quiser acompanhar, basta comentar.

  

08 de Novembro, 2016

A Sombra do Vento | Carlos Ruiz Zafón

IMG_4812.JPG

 

Este livro tem todos os ingredientes: intriga, amor, suspense e uma história que para além de original, é supreendente.

 

Como se não bastasse, tem personages apaixonantes. Foi muito fácil afeiçoar-me ao personagem principal, o Daniel, de tal forma que senti todas as suas emoções como minhas.

 

Não querendo desvendar muito, vou apenas dizer que a ação se passa em Barcelona e tudo começa numa manhã em que um pai leva o seu filho ao "Cemitério dos Livros Esquecidos".

 

O autor tem uma escrita irrepreensível. Transportou-me para a ação logo na primeira página e quando cheguei à última, não queria que acabasse.

 

Ao chegar ao centro da praça ouvi o rumor dos sinos da catedral a repicar a meia-noite. Detive-me um instante, varado num oceano de aves prateadas, e pensei que aquele tinha sido o dia mais estranho e mais maravilhoso da minha vida.

 

Minha pontuação Goodreads: 4* 

 

 

07 de Novembro, 2016

O Luto de Elias Gro | João Tordo

IMG_4808.JPG

 

Li este livro dentro do Desafio #Lerosnossos e foi uma óptima escolha.

 

Este livro retrata, entre outras coisas, a morte e o renascer da alma de um homem que não acredita em nenhum tipo de salvação ou retorno.

A escrita do autor está carregada de emoção e é bela. Dá-nos a conhecer personagens que roçam o fantástico mas que acreditamos que são reais por estarem muito bem construídas e rodeadas de detalhes.

 

Adoro a forma como o autor escreveu os diálogos. Sem travessões nem complicações. Discursos muito directos, quase rudes (também devido à personalidade das personagens).

 

Foi o meu primeiro livro do autor e com certeza não será o último. Existem mais dois livros que completam esta trilogia. Gostei muito.

 

O reverso de uma incomensurável perda é a consciência dessa perda. E a consciência chega através da dor. A dor não costuma mentir; nesse sentido, é o que mais importa. Sem ela, passaríamos do sofrimento momentâneo ao esquecimento.

 

Minha pontuação Goodreads: 4*

 

06 de Novembro, 2016

Desafio: Ler os Nossos

8273885.jpg25256811._UY475_SS4752_.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Dentro do Desafio #Lerosnossos, escolhi, por agora, o "O Luto de Elias Gro" de João Tordo que já terminei e em breve colocarei a minha opinião no blog.

 

Actualmente, estou a ler "Deste Mundo e do Outro" de José Saramago que entra também para o Desafio #lersaramago.

Estou a gostar muito, com uma escrita muito clara e com a qual nos conseguimos rever e identificar.

 

Quem quiser acompanhar com as suas leituras de #lerosnossos e #lersaramago basta postar com estas tags nas redes socias.

 

06 de Novembro, 2016

A Vegetariana | Han Kang

thumbnail_FullSizeRender.jpg

 

Tudo parte de uma decisão: tornar-se vegetariana. Tudo por causa de um sonho que teve.

 

Se estão à espera de entender este livro, desenganem-se já.

Este não é o tipo de livro para ser compreendido. É um livro que atrai estranhamente e por razões que não consigo traduzir em palavras.

 

Causa momentos de indignação e incompreensão em relação às personagens. Quase que me apeteceu puxá-los para fora do livro e perguntar “Porquê?”. Esta sensação mantém-se do início ao fim. Arranjei algumas explicações para o comportamento das personagens mas cada vez que olho para o livro na estante continuo a perguntar “Porquê?”.

 

Cinco estrelas pela estranheza, capacidade de despertar sensações e vontade grotesca de querer terminar o livro. Agarrou-se a mim e não consegui parar.

 

Um livro absolutamente inexplicável.

 

Não conseguia perceber porque as palavras “Quem me dera morrer” não paravam de ecoar na sua cabeça, como se o hipnotizassem. Também não conseguia perceber por que motivo as palavras “Então, morre” vinham inevitavelmente a seguir, como se a resposta chegasse algures de dentro de si e, no entanto, não exatamente de si.

Minha pontuação no Goodreads: 5*

 

Pág. 2/2