Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Holly Reader

Opiniões literárias, leituras programadas, desafios, devaneios, TAG's, novidades editoriais, eventos, encontros. Aviso: pode criar dependência a livros :)

V Encontro do Clube dos Clássicos Vivos

26910100_1972878492752574_8070439764498936016_o.jp

Parece que estes encontros se estão a tornar sérios. Este foi o 5º Encontro do Clube dos Clássicos Vivos e cada vez mais sentimos que estes fazem sentido.

 

Desta vez o Clássico discutido foi "A Ilustre Casa de Ramires" de Eça de Queiroz e escolhemos o Espaço Eça em Leiria para o encontro. Este local não podia ter sido mais apropriado: tudo nele fala de Eça, tivemos um "cantinho" só para nós e fomos recebidas com muito carinho. E o resto? Só posso dizer que tivemos opiniões muito distintas e ficou tudo gravado aqui.

 

Da esquerda para a direita:

Mafalda - Canal "A outra Mafalda"

Daniela - Blog "Mente Literária"

Bárbara - Blog "Bárbara Reviews Books"

Sónia - Canal "Livraria Imperfeita"

Cristina - Canal "Books & Beers"

Sandra - Blog "Say Hello to my Books"

Carolina (Eu) - Blog e Canal "Holly Reader"

Jessica - Canal "Companhia Literária"

Cláudia - Blog e Canal "A Mulher que Ama Livros"

Alexandra - Blog "Mais Mulheres Por Favor"

 

Contamos ainda com a presença da Edite do blog "Livro Pensamento" e a Inês.

Obrigada a todas e contamos ter ainda mais presenças no próximo encontro.

Agora que 2017 se escreve no passado

Design sem nome.png

2017 foi o ano em que mais li, mas não foi isso que o tornou marcante. Vou lembrar-me de 2017 por causa das palavras que me acompanharam durante dias, pela textura das folhas amarelas e brancas, pelos autores que desconhecia e se tornaram favoritos. Vou lembrar-me acima de tudo dos momentos de silêncio aparente em que uma ponte se formava entre o meu coração e os pensamentos dos autores e/ou personagens. Foi um ano muito rico, cheio de momentos transformadores e mas também pautado pela solidão e reflexão, foi assim que aprendi a ser a minha melhor companhia. Foi altura de abrandar, perceber o que faz falta. É preciso muito pouco para ser feliz e "esse pouco" está dentro de nós, basta olhar.