Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Holly Reader

Opiniões literárias, leituras programadas, desafios, devaneios, TAG's, novidades editoriais, eventos, encontros. Aviso: pode criar dependência a livros :)

O vermelho e o negro | Stendhal

IMG_0106.JPG

 

Romance escrito no séc XIX por Henri Beyle (Stendhal era um dos seus pseudónimos) que conta a história de Julien, um jovem ambicioso que pretende desprender-se das suas raízes humildes e encontrar a riqueza (mais pelo que representa a classe social do que pelo dinheiro propriamente dito).

 

A minha leitura deste livro foi como um ioiô, se nuns momentos estava a deliciar-me com as peripécias de Julien, noutros dava por mim aborrecida com a descrição dos salões, os encontros e as conversas dos personagens que lá se encontravam. Há partes deliciosas, escritas com minúcia e humor refinado. O amor de Julien pela senhora de Rênal é temperamental e tanto se apresenta sem artifícios como se deixa envolver por segundas intenções. 

 

É um óptimo livro para quem tem curiosidade em descobrir mais sobre a diferença de classes na França do séc XIX, o poder e influência da Igreja nas decisões e é sobretudo um retrato acerca do grande véu que todos usavam na época para disfarçar as suas reais intenções, quase nunca nada é revelado tal como é, tudo faz parte de uma grande jogada da qual apenas conhecemos uma parte. Muito raramente as ações são o reflexo dos sentimentos. E o Julien é a maior prova disso. Um personagem inesquecível, muito bem construído. 

 

Tive muitas alturas em que me pareceu estar a ler "Crime e Castigo", principalmente nos momentos de indecisão e questionamento de Julien. Apesar disso, "O vermelho e o negro" consegue ser menos maçador e mais eficaz na passagem da mensagem: é preciso conhecer a tristeza para se reconhecer a felicidade

 

"Pelo menos, quando se praticam crimes, é preciso praticá-los com prazer: é a única coisa que têm de bom, e é a única razão que permite justificá-los um pouco..."

 

Minha pontuação no Goodreads: 3.5

(Pausa) para um sentimentalismo

NextFest_01.003.jpg 

Foi há pouco tempo que conheci este Senhor. Acredito, no entanto, que foi no momento certo. Fui completamente arrebatada por ele. As suas palavras alinham-se de forma tão encantadora e perfeita que custa acreditar na existência do livro. Eu sei, só li um livrinho dele e já parece que conheci todo um mundo novo. A literatura serve para nos abanar o corpo e inundar a mente.

 

Faria hoje 118 anos e pertence à classe de escritores que fazem muita falta. Porque a sua obra, infelizmente, é finita. Será, no entanto, presença imortal na minha presente e futura biblioteca. Para já posso dar-me ao luxo de dizer que conheço uma parte de Jorge Luis Borges.

 

Deixo-vos um vídeo da booktuber Tatiana Feltrin acerca de uma biografia de Borges que adorei ver:

 

 

Tenho também um vídeo sobre a experiência de leitura de Borges, caso queiram espreitar:

 

Pág. 1/3